A causa de tudo



A gente complica demais a vida com as pequenas preocupações. A preocupação gera ansiedade, a ansiedade gera sofrimento, o sofrimento gera sentimento ruim e negativo, o sentimento ruim e negativo gera dor, a dor gera lágrima, a lágrima gera melancolia, a melancolia gera tristeza, a tristeza gera solidão, a solidão gera ferida, a ferida gera cicatriz, a cicatriz gera mágoa, a mágoa gera um buraco escuro dentro da alma. É um ciclo sem fim e só quem pode cortá-lo é você mesmo. 

Ninguém disse que é fácil romper ciclos e fazer mudanças definitivas. O processo é longo, o trabalho é árduo e muitas vezes doloroso. Você está condicionado a agir de uma determinada forma durante um determinado tempo. Não é simples pegar uma tesoura e cortar todos os males e medos pela raiz. Se assim fosse os divãs não estariam sendo disputados a tapa. 

Temos que aprender que a vida é para ser simples e boa. Sem tanto rancor, sem tanta revolta, sem tanta disputa. Há muito para conhecer, há tanto para aprender, há inúmeras formas de trocar um pensamento ruim por um bom. Quando algo que você não quer surgir na sua mente modifique na hora esse pensamento. Não dê corda, trela ou faça sala para ele, senão você sabe: ele chama toda a família para passar uma temporada na sua cabeça. E ninguém precisa conviver com um time de antipáticos fazendo farra, falando alto e tirando o seu sossego.

Só porque uma coisa não aconteceu da forma que você queria não quer dizer que ela não seja positiva e traga bons ensinamentos. A gente aprende com tudo que acontece, por mais que agora você acredite que esse perrengue todo é terrível, que você está sofrendo por demais, que sua vida está um lixo. Espere, respire, inspire, transpire, faça uma imersão nessa loucura, nesse desgaste, nessa dor, nessa onda forte. Depois você vai olhar para trás e perceber que sobreviveu, saiu mais forte, é valente, corajoso, tem fibra, garra e é capaz de superar qualquer dificuldade. 

Nada é tão difícil quanto se apresenta num primeiro momento. E tudo, tudo tem um jeito. Mas entenda: nem sempre é o seu jeito. A gente vai se adaptando ao que a vida nos apresenta. Só que a escolha sempre será minha, sua ou nossa. Isso ninguém nos tira.

No caminho



Às vezes, insatisfeitos, nos perguntamos por qual motivo determinada coisa acontece. Nos achamos incompreendidos, injustiçados e enclausurados dentro de um porão sem saída, ar ou luz. Tudo parece pequeno, apertado, vazio, feio, sem sabor. 

A frase "vai passar" entra por um ouvido e sai pelo outro. Como assim, vai passar? O que você sabe de mim? Por que se acha no direito de dizer essas duas palavrinhas frias e que não fazem sentido? Por que você gosta de falar só por falar? É muito fácil analisar uma situação estando do lado de fora dela. É muito simples usar frases feitas para manifestar alguma solidariedade. Mas nós sabemos que os outros estão preocupados com os seus próprios problemas. Ninguém verdadeiramente se empenha em resolver as suas pendências emocionais. E não adianta culpar o mundo ou colocar responsabilidades que são somente suas nas costas de outrem. A verdade é que existe o que é só seu, existe o que é seu e do outro e o que é única e exclusivamente dele. Nada disso se mistura.

Você já deve ter ouvido falar que cada um tem a sua cruz. Não podemos encarar tudo como um fardo, como se viver fosse uma sucessão de acontecimentos ruins. A vida é uma oportunidade incrível que temos de aprendizado, de reparação, de recomeço, de transformação, de evolução. É preciso aproveitar cada segundo para subir os degraus necessários. Muitas vezes somos obrigados a dar alguns passos para trás para logo mais andar para frente. Mas é preciso entender que cada um tem que estar ciente de suas responsabilidades, de seus deveres e obrigações, afinal, cada ser humano é que faz o seu próprio caminho. 

Hoje é dia

Para quem ainda não sabe, uma quarta-feira sim e outra não escrevo no Donna. Para ler a coluna de hoje é só clicar AQUI.

Sempre perto



Eu quero te pedir perdão, sei que tenho andado um pouco relapsa com a nossa história. Sei que você não tem obrigação de me aceitar do jeito que sou, de me perdoar por tantos erros, de suportar minhas mudanças de humor, de tolerar meus medos infinitos, de engolir meu lado sombrio, de preencher meu vazio existencial e de me carregar no colo quando minhas forças não são fortes o suficiente. Me desculpa, sei que nem sempre sou divertida, inteligente, sexy, amorosa e gentil como deveria. Me desculpa, sei que andei um pouco ausente, sem vontade de te contar tudo aquilo que me aflige. Sinto um pouco de vergonha por ter saído à francesa da sua vida. Mas eu voltei. E isso deve ser bom para nós. Por favor, diga que me aceita de volta, de braços, coração e sorriso abertos. Preciso de você, do seu ouvido, do seu carinho sincero, da sua paciência. Preciso que você entenda que nem sempre consigo entender esse mundo cheio de angústias. Mas quero que saiba que a partir de agora vou me esforçar para melhorar um pouco isso que a gente chama de amor. Se você ainda me quiser estarei aqui.

 
Sobre os créditos nas imagens:
Todas as imagens que ilustram o blog são retiradas da internet. De 2010 até agora, são extraídas do site weheartit.com
Já as imagens dos anos anteriores foram retiradas do Google e estão sem os créditos dos fotógrafos porque não encontrei. Se a sua imagem está sem crédito, me desculpe: diga seu nome que eu coloco.

©2005 Clarissa Corrêa | + Magda Nascher