Eu e eles

Poxa, obrigada. Fico muito contente quando a minha caixa de e-mails lota de comentários dos leitores.
.
Momento-me-achei: em geral a caixa está lotada, mas não espalha. É bacana sentir o carinho e a energia boa de vocês. De vez em quando acontece um ou outro stress, mas tudo bem, eu gosto. Gosto mesmo, sem sacanagem. Escrevi lá pro site de Minas sobre aborto, me chamaram de adjetivos nada bonitos e até me rogaram praga (que-não-pega-lá lá lá lá lá rá). Disseram que eu era amiga íntima do Peter Singer e que eu ia pro inferno e mais um bando de babaquice. Ó, não tenho medo. Ó, de repente o inferno é mais gostosinho. Lá pode beber a la vonté, fumar, falar palavrão, andar com decotão, dizer vem cá, meu negão (modo-carinhoso. nada tenho contra os afrodescendentes). Tudo bem, tudo bem, aquela idéia de lugar cheio de nuvens e gente loira com cachinhos e musiquinha suave de fundo e calmaria não me agrada nadica. Do céu eu gosto da cor. Grêêê-miooo! Engraçado, falo que sou gremista e nem assisto jogo na tv. Mas torço, ora.
.
Vamos ao que interessa: em um passado nem tão amarrotado eu publicava eventualmente alguns e-mails, lembram? A pessoa escrevia, pedia conselho e a tia dava. Não, a tia não é a Rainha dos Conselhos e Fórmulas de Bolsa. Aqui não é consultório sentimental e eu não sou analista. Mas de vez em sempre me pedem conselhos via e-mail, não consigo responder pra todo mundo, mas tento. Em breve passarei o número da minha conta, é dé reau a opinião sobre o assunto. Se for algo muito complexo sobe o preço. E se for um caso de difícil solução, por favor, consulte a cartomante mais próxima.
.
Obrigada. Tenham sempre em uma mão os lenços Kleenex (não, não me pagam nada pra fazer a propaganda) e na outra uma Amarulinha pra regular a lenta e intercalar com lágrimas, fica um sabor agridoce. É, a tia dá cacetada na cabeça de quem pede.
.
.
"Oi Clarissa, como vai?
.
O meu nome é Ana Paula e eu sou do interior do Espírito Santo, fui apresentada ao seu blog por uma amiga que é muito sua fã. Me encantei e leio todos os dias, releio posts antigos, alguns estão salvos nos meus arquivos do pc, gosto de reler. Admiro muito a maneira como você escreve e usa o fluxo de consciência, seu jeito de escrever é intimista e invade a gente, me sinto uma velha amiga sua e parece que você me entende como ninguém.
.
Um dia adorei a sua idéia de publicar e-mails do pessoal, muito original de sua parte mas você parou e deixou um gosto na boca da gente. Eu queria um e-mail publicado e um conselho seu, pode ser? Tô afim de um carinha lá da faculdade, eu tenho 23 e ele tem 31. É professor e casado, mas ele disse que é mal casado, que vai se separar. Uma amiga minha disse que é tudo mentira e que isso é papo de homem que só quer uns beijos. Você concorda? O carinha foi meu professor, a esposa dele eu não conheço, dizem que ela está grávida. Ele me olha, mas não faz nada, fica me paquerando, eu sinto, mas não me convida pra sair, nem pra tomar um chopinho, eu tremo por dentro cada vez que o vejo, sonho com ele, o que eu faço? Queria ser uma mulher decidida e determinada assim como você, acho que eu seria mais feliz. Você acha que ele não quer nada sério? A situação está assim fazem quatro meses, gostaria da sua opinião.
.
Um beijo sincero, adoro seu blog e aguardo muitos livros seus,
.
Ana"
.
.
Ana, obrigada pelos elogios fofos, viu?
.
Quem sou eu pra dar conselhos? Sou a Clarissa, só. Com experiências, relacionamentos feitos e desfeitos, cicatrizes, arranhões e etc. Só que a minha saúde é de ferro, posso ficar mal e doente, mas sempre me recupero. O maior come o menor, certo? Te garanto que sou bem maior do que qualquer acidente amoroso. Apesar disso eu não sou tão decidida e determinada assim, pode crer. Vocês fazem uma imagem de mim, aliás, todo mundo faz uma imagem de todo mundo. Mas eu sou um ser humano, me estrepo como qualquer mortal-mulher-que-de-vez-em-quando-esquece-que-é-Mulher-com-M-e-dá-uma-de-boca-aberta.
.
Quero te dizer o seguinte: ele é casado. Ele é casado. E ele é casado. Repete comigo: ele é casado. Mais uma vez: ele é casado. De novo, não ouvi: ele é casado. Agora abre a janela e dá um grito: ele é casado!!!!!!!!!!!! Pega o teu batom preferido e escreve no espelho do banheiro ele é casado. Entendeu ou não? Boatos sempre rolam. Ele vai se separar. Ah, vai. Quando mesmo? Já contratou o advogado? Dizem que ela está grávida? Veja só, ora, ora: ele não ia se separar? Entenda: ele é casado, ele vai ser pai, quem quer separar separa porque filho não segura casamento nem aqui e nem na casa da vizinha. Outra coisa: homem quando quer liga, convida, chama, puxa pelo cabelo e diz vem cá, minha nega. E quando eles não querem ficam só olhando e paquerando, como você disse. De repente é pra satisfazer o ego, todo mundo quer ser desejado. Ele é casado. Pode dar em cima das alunas, mas é casado. Fica repetindo que ele é casado, sabe por quê? Homem casado é sinônimo de encrenca, sofrimento e muitas e muitas noites de trago. É isso mesmo: você vai beber pra esquecer. É melhor não beber (ainda mais com essa meleca de lei) e lembrar do que eu disse: ele é casado! Não embarca nessa onda, o afogamento é certeiro. E eu não garanto que na praia vai ter um salva-vidas-gostosão-e-solteiro-e-sem-mulher-prenha pra te ajudar, minha amiga! Quanto aos beijos, penso o seguinte: mais vale guardar a língua na boca do que deixar o coração ser atropelado em alguma avenida de grande movimento.
.
.
.
.
.
PS. perceberam que de vez em quando eu coloco esses pontos no meio do texto? é que a tecla de espaço do blog trava e fica tudo coladinho. odeio falta de espaço, com licença.
.
PS do PS. se mais alguém quiser que o e-mail seja publicado no nosso querido blog, é só falar. preservo a identidade dos viventes e não divulgo o sobrenome.

 
Sobre os créditos nas imagens:
Todas as imagens que ilustram o blog são retiradas da internet. De 2010 até agora, são extraídas do site weheartit.com
Já as imagens dos anos anteriores foram retiradas do Google e estão sem os créditos dos fotógrafos porque não encontrei. Se a sua imagem está sem crédito, me desculpe: diga seu nome que eu coloco.

©2005 Clarissa Corrêa | + Magda Nascher